Quarta feira foi dia de episódio novo de The Handmaid’s Tale e só hoje consegui assisti-lo e assim poder falar sobre o mesmo. E como de costume, passei sufoco nesse terceiro episódio também.

!! CONTÉM SPOILERS !! 

3º Episódio: “Baggage”
Resumo em uma frase: Esse terceiro episódio foi de 59 minutos de pura esperança, seguido de um minuto de destruição total dos 59 minutos anteriores.
Continuando…
Quando o episódio começou, a primeira impressão é que tudo estava seguindo um rumo de alívio de todo aquele horror. June passou dois meses se escondendo no escritório, correndo pelos corredores, trabalhando em seu memorial, lendo as edições antigas de jornal e juntando recortes de pistas sobre como a República de Gileade aos poucos conseguiu assumir o seu posto atual. Nick sempre que podia estava indo visitar June. A cena dos dois se abraçando em frente a janela do escritório, foi particularmente agradável para mim e aquela conversa sobre roubar o café de Rita, explicou algo que eu já estava imaginando antes, se Nick ainda estava ou não com os Waterfords.

Nick informa June que terá que sair do seu esconderijo e mais uma vez ela acaba se escondendo em um caminhão como uma mercadoria. Ela é deixada em uma garagem cheia de placas de rodovias, as que Gilead derrubou para que as pessoas não soubessem onde estão. Lá é onde encontra Omar, seu novo contato, que seria a pessoa que a esconderia até a noite seguinte para ser buscada por uma outra pessoa e levada dali em um jatinho. Omar acaba desistindo de querer ajuda-la, mas June não permite que ele a deixe ali e o faz leva-la.
Omar: “Você é uma bruxa boa ou má?” 
Junho: “Depende de quem pergunta, eu acho.” 

Quando June forçou Omar a levá-la com ele, ela pode ver um pouco de um mundo que poderia ter existido para ela. Uma vida quase “normal”, onde ela ainda não teria permissão para trabalhar, mas poderia ter vivido com o marido e o filho, contanto que eles fingissem ser piedosos e frequentassem muito a igreja. Heather e Omar eram um casal inter racial como June e Luke, e seu filho Adam estava perto da idade de Hannah. No momento em que brincava com Adam, havia uma alegria tão tranquila no rosto de June, mas por pouco tempo. O que mais me chamou a atenção foi o modo como Heather julgava June, dizendo que se fosse ela, morreria antes de desistir de seu próprio bebê. Como se June merecesse ser escravizada como serva ou tivesse tido alguma escolha sobre Hannah.

Em um momento enquanto June fica sozinha na casa de Omar e Heather, esperando que eles cheguem da igreja, um vizinho bate na porta, June se escondeu embaixo da cama do casal e encontra um Alcorão embrulhado em um tapete de oração. Isso acaba explicando o motivo de Omar arriscar a vida para ajudar pessoas como June.

June fica sentindo culpa por estava sendo forçada a deixar Hannah para trás em Gileade. O que por sua vez a lembrava de sua mãe Holly.
Holly Maddox, era uma feminista e ativista, uma ginecologista que fazia abortos, uma mãe que levou June quando mais nova para uma noite onde as mulheres escreviam os nomes de seus estupradores em um pedaço de papel e os queimavam. “Tantos pedaços de papel”, lembrou June. “Foi como a neve.” Holly sentiu que a June, quando já adulta, não ligava ou se importava com as ideologias que ela tinha, onde June se encontrava com um trabalho pouco exigente como editora assistente e tendo um marido no centro de sua vida, em vez de um trabalho mais importante como na Suprema Corte. Holly foi uma das pessoas que viu a República de Gileade chegando aos poucos e achou que June deveria ter lutado mais arduamente por essa causa.

Esse foi um dos momentos em que pausei a série e precisei de um tempo. E então eu fiquei pensando sobre  essa questão. Talvez June devesse mesmo ter lutado mais pela causa, mas eu penso que o feminismo é sobre a liberdade de escolher como você quer viver a vida e o que você faz com seu próprio corpo. June fez suas escolhas e elas eram tão válidas quanto as de Holly. Não eram?
Bem, a partir dai eu já estava me perguntando o que tinha acontecido com a Holly após a chegada da Repblica de Gileade, e então nós voltamos um pouco no tempo e acabamos descobrindo, June e Moira estão sendo forçadas a assistir uma palestra sobre como “humanos malignos” poluíam a Terra, e em uma das imagens mostradas, estava Holly sofrendo nas Colônias. Será que isso foi de propósito? Eles sabiam que Holly era mãe de June?

Indo para a atualidade, June se da conta de que não teria mais a ajuda de Omar, pois ele e Heather e Adam não voltaram da igreja haviam horas, ela decide então ser dona de seu destino e sair dali do seu próprio jeito. Ela rouba as roupas de Heather, também um mapa e parte sozinha para encontrar o ponto de embarque onde o jatinho iria leva-la dali.

Saindo da moradia do casal desaparecido, June não deixa de olhar para os guardiões, meio que esperando que eles a reconheçam como fugitiva. E então ela corre pela floresta, atravessa a plantação de milho e se esconde debaixo de um avião estacionado.

Quando o jatinho finalmente chega e o piloto a leva a bordo, ela teve que se esconder no porão de carga junto com um motorista também fugitivo que se parecia muito com Nick. Com os motores já ligados e quando já começaram a descer a pista, June lembrou-se de uma viagem alegre com Holly. June desejou ter tido a oportunidade de perdoar a mãe por não ser perfeita e pedir a Hannah que a perdoasse também.

“Nenhuma mãe é totalmente o ideal que um filho tem do que uma mãe deve ser. E acho que o contrario também é valido. Mas, apesar de tudo, não fomos tão ruins. Fomos tão bem quanto a maioria. Eu queria que minha mãe estivesse aqui, para poder dizer a ela que finalmente sei disso. Para poder dizer a ela que eu a perdoo. E então pedir perdão para a Hannah.”

E então, quando June está prestes a decolar para os céus, acontecem tiroteios. O piloto é atingido na cabeça, o motorista que parecia Nick, morre e June é arrastada pelos guardiões através da porta do porão de carga. E então eu simplesmente surtei. Esse era o fim do episódio e tudo tinha desmoronado.

Não consigo nem comentar nada sobre esse ultimo minuto, apenas acabou comigo e meu estado emocional. Unica coisa que quero e espero é que semana que vem as coisas sejam mais calmas.

Próximo Episódio: Other Woman

Deixe uma resposta