…Eu estava esperando que esse episódio fosse menos perturbador do que o primeiro. Pura ilusão. Cada episódio anterior com Emily foi um chute no estomago e “Unwomen” não é uma exceção não.

!! CONTÉM SPOILERS !! 
 
2ª Episódio: Unwomen
As Colônias são um inferno radioativo onde as mulheres que desagradam permanentemente à República de Gileade trabalham até morrer. A paisagem bege e queimada com os abrigos brancos parecia com Marte, com mulheres esfarrapadas cavando a terra enquanto tossiam dolorosamente e suas unhas caíam, enquanto as “tias” em máscaras de gás as cutucavam como se fossem rebanhos e movimentavam orações forçando-as a agradecer a Deus por sua graça. Mesmo aqui, Emily encontrou um papel para si mesma. Ela não pode fazer parte da Resistência nesse lugar (será?), mas ela pode fazer rondas noturnas com um kit de primeiros socorros gasto e ajuda as outras prisioneiras com ataduras e álcool.
No entanto, Emily está longe de ser uma santa. Quando uma nova prisioneira que costumava ser uma “esposa” chega, as outras mulheres a rejeitam e a tratam com crueldade. A Esposa responde expressando sua fé contínua em Deus, assumindo que eventualmente Ele a livrará deste novo mal. E de certo modo, é isso que acontece. A ex-esposa aceita a ajuda de Emily, na forma de comprimidos antibióticos, para evitar que ela receba uma infecção da água contaminada e essas pílulas acabam sendo um veneno fatal. Emily deixa o corpo da esposa para ser encontrado em uma cruz no lado de fora do abrigo.
O dilema de Emily foi emoldurado por flashbacks de sua vida como professora sofrendo a morte da educação. Uma professora de biologia celular, Emily estava casada e feliz com Sylvia e elas tinham um filho de dois anos chamado Oliver. O chefe gay de Emily, Dan decidiu afasta-la das salas de aula e mante-la trabalhando no laboratório em período integral no próximo semestre, isso porque os professores abertamente gays não seriam mais aceitos depois de “o que aconteceu em Washington”.
Depois que seu chefe Dan foi linchado com a palavra “bicha” pintada no chão embaixo de seu corpo, Emily e Sylvia decidem que é hora de entrar em um avião. Mas enquanto Sylvia tinha um passaporte canadense e poderia sair com seu filho, Emily não. Aquela última cena em que Emily e Sylvia disseram um adeus sem som no meio do barulho e da multidão foi excepcional.
Depois de ser contrabandeada em um caminhão, June foi abandonada em um enorme prédio vazio. Com apenas um martelo para se defender, June explorou os escritórios, lendo a história do que aconteceu nos objetos deixados para trás: a última edição do jornal, as mesas abandonadas, um salto alto deixado no chão. uma parede de cimento coberta com buracos de balas.
O que June fez? Ela se escondeu. Ela esperou e eventualmente Nick apareceu. Ela estava tão brava e tão desesperada para escapar e encontrar Hannah que ela não escutava a razão, apesar de Nick ter dito a ela que como uma serva fugitiva e grávida do Comandante, todos estavam procurando por ela. Eu estava honestamente com medo de que ela realmente partisse e que seria pega e acorrentada em um porão até que ela desse à luz, como Ofwyatt.
June então decide ficar, e como não pode fazer nada sobre o massacre dos jornalistas que foram executados onde ela agora se encontrada escondida, ela faz a unica coisa a seu alcance, reconhecer que essa tragédia aconteceu, e foi o que ela fez. Ela criou um santuário com velas, fotos e objetos pessoais, ali mesmo na parede onde eles morreram. Achei emocionante que, em um episódio que enfatizava a hipocrisia religiosa da ex-esposa nas Colônias, June rezou a Deus pelos mortos naquele memorial. A República de Gileade pode ter pervertido e distorcido a religião com opressão, mas o conforto de Deus ainda existe para June. Eu gostei daquilo. E é assim que esse episódio se finaliza.
June: “Vista o vestido vermelho, use as asas, cale a boca, seja uma boa menina, vire e abra as pernas. Sim senhora, que o Senhor abra. O que vai acontecer quando eu sair? Eu provavelmente não preciso me preocupar com isso, porque provavelmente não há saída. Gilead não conhece limites, disse tia Lydia. Gilead está dentro de você, como o espírito do senhor. Ou o pênis do Comandante. “
Eu decidi que é melhor assistir essa série em pedaços. Me levantar e fazer umas pausas. Parar e rabiscar. Muito disso tudo de uma só vez, poderia ser prejudicial para a saúde.
Próximo Episódio: Baggage

22 thoughts on “Sobre Séries: The Handmaid’s Tale – 2ª Temp / Ep 02”

Deixe uma resposta